Aridez

Voei d'onde fui 
P'ra te espreitar.

Quase perfeito,
Menos tu.

"Color of Death" | zero_energy's photo blog

Não quero ver filmes ou 
Compreender 
Letras musicais. 

Estendida ao morno sol,
Rendo-me aos 
Meus "ais". 

30.12.2011 

Mirror, Mirror

Loud voices so
Our hearts 
Could sing in tune
But the
Echoing tragedies are
Obviously,
Ambiguously 
 immune.

29.12.2011


Ring the Curtain Down

You tell me to 
Go on, 
Still
I'm aware 
I've enjoyed this 
Ride
Alone.

22.12.2011


A Mudez no Grito

Nuestra imagen actual" | David Siqueiros
Imagino-te sentado
Numa cadeira alta,
Em pleno palco a
Gritar as tuas revoltas.

Ouvem-te, mas não
Te compreendem e
Aplaudem sem
Te abraçar.
Como te entendo.

Aí, sob foco de luz forte,
Que te cega o pesar
D'um público anónimo de
Caras familiares.

18.12.2011 

Hand to Hand

I've settled the questions,
Like we agreed and
Scoped the map
Along the sea.

My ride is packed,
Where shall we meet?
 

- What changed?
she asks.

- Nothing... 
We've always been
Free. 

18.12.2011

Moléstia

Sentas-te em frente das
Minhas pétalas
"Don't be sad" | zero_energy's photo blog
E apenas observas.
Desabrocho p'ra me 
Veres como sou.
No silêncio das estações e
A cada tua visita,
Amas a minha fisiologia e
Deixas-me p'ra morrer.  

Goza a alvorada das
Noites em que te espero.
Ri-se de mim,
O fim.

De pétalas abertas
Exponho a dor ampliada 
P'las pingas escorridas.
Por que me plantaste
No teu jardim?

16.12.2011

[des]abado

"Starting Point スタート地点" | zero_energy's photo blog
Acordo entregue à inércia
Deste ser de vontade
Espancado p'la lucidez.

Ao ver-te assim,
Parada à minha frente,
Olho os meus olhos
De água 
No azul do brilho 
Das gotas dos teus.

Sim, perdi-me.
As noites
Em nostalgia,
E os dias..
Na vertigem dos anos,
A procura.

Asfixiam a voz
Do orgão que me 
Oferece as batidas,
Levam-me a trautear
Pautas já escritas.

Perco o tempo ao tempo,
Não o suporto mais.
14.12.2011

P & B

Soa um apito 
Que se sente
E, num olhar quente,
Prende-se no ar
Ferida d'outro 
Fantasma
De perda fugida.

"Sobre Carris" | Fábio Martins@galeria fotográfica

Duma janela meia subida,
Surgem palavras 
Duma língua
Que não a minha e ao
Ver-te lá no longe,
Entre os trilhos,
Levanto-me p'ra gritar:
- Je t'aime.. Je t'aime!
Mas sufoco a voz
Que geme, ao
Ver-te lá ao longe,
No teu caminho
 Cobarde
Que treme 
O pó
Do meu rastilho.

10 & 13.12.2011

Flood on Sodom

So, 
You came by 
Your mind's default to
Peek at my
Sculpted
Salted
 Corpse.
You run to safe
And left me gaze
At what I had
And what made you 
Scared.
Cry with me
A little phrase
For I want a life of
My own to praise.
We're  not
Moving on, 
We're
Just walking 
Throughout
The days 
until
They're gone.

12.12.2011

Eat Me

Throw out the lyrics and
Set the words on me
 - It's easier if you serve them
In a different speech.

"Um Lugar à Mesa" | Momentos

I'll chew each bite 
Of your "gourmet" ending
Without the theatrical spice and
Thank your lush wrap 
For the dressing I dislike,
When love boils by abuse.
Delight your lips with 
My pale skin and
Stop looking through the rearview.

Are you waiting for
Me to save you? 

09.12.2011 

Widowed Heart

  We can design our paths
Far from feeling numb.

I'm as terrified as you.
Can you give me your hand? 

09.12.2011 

Rip_Tides

Within the tune of a taking song,
One that can free the
Lifebuoy off this bound. 
Among the hazy waves
I kept my head floating along
The pulls and pushes of
My soul to drown.

"Approaching Storm" - zero_energy's photo blog
I rather rest my body
To be found
Than to keep smothering
Feelings under ground.

Just.. 
Take me to a home
Where I'm meant to belong.

08.12.2011




Mistaken

"As the Day Ends" | zero_energy's photo blog

I wonder about the clocking
Of the outside world,
When mine has collapsed.

Laying for my
Pieces to come back,
Waiting on a remote 
Display for the days
 To relapse. 

And why do I always
Wake up at
My doormat?

06.12.2011


2B : Live

And 
In that 
Moment
Your eyes whisper
Something to my heart 
Between the sound
Of shooting words
Through my cognition and
Though I try to turn around,
My knees are too weak
To keep watching you 
Gently
Braking me,
Raping my heart in
Beautiful ways. 
 Let you inhere still
Fearing the dawn 
That never comes while you're
Judging your prays 
As tightly as
Dropping claims on
This love 
To hang.

03 & 05.12.2011

"Magic Drop" | Momentos

Plágio

Termino o que faço e
Sento-me perante o ecrã.
Silencio o meu espaço,
Olho a folha em branco
E como que hipnotizada 
P'lo cursor saltitante... nada. 
Não sai nada!
Como se não houvesse nada
A escrever,
Como se nada houvesse
A dizer.
Olho em volta.
"exemplo a seguir" | shoot me
Espreito p'los cantos da rua,
Acaricio as cores das
Quatro paletas surdas.
Procuro a palavra...
Como se diz?
Vá lá, sussurra-ma
P'ra prendê-la num
Sorriso feliz.
Quero desenhá-la em
Todas as cartas
Que te escrevi.

Num Lugar Esquecido

Baloiço numa velha cadeira
Que chia, que estala no
Chão de madeira aquecida
P'lo sol, que nele se deita e 
Se estende até à janela de
Pedras envelhecidas, decoradas
Por camadas de velas derretidas.
Anuncia-se o fim duma tarde
De Primavera, p'las flores que 
Correm nos campos lá fora e
As folhas que cantam das árvores
Circundantes ao meu lar. 
Está na hora.


"Um Lugar Esquecido" | Momentos
Dois pequenos,
De delicados fios dourados,
Dançam entre as purpurinas
Dos mergulhos no lago.
Da minha cadeira,
No terno calor da lareira,
Escolto os acordes da guitarra acústica
Ao anoitecer.

E enrolo, na manta, os pés frios
Antes que amanheça deste adormecer.

01.12.2011