Tempo p'los Dedos

Engasgo-me nas palavras
No instante errado,
Quebro o meu âmago fechado
E torno-me como quem se agarra.
Nas festas que cria a mente,
Encontro o meu fado
Por discursos desorientados
Dum corpo ainda quente.

P'los poros da memória,
O desejo em gotas;
O latejo na consciência
P'la mudança de trajetória.
Comprime-se o ser
No explícito da narrativa,
Pele em pele em saliva
E horas p'ra te esquecer.

28.07.2012

"Esquecida" | Ever After Photos

2 degraus subidos:

  1. Cada um sente as palavras de acordo com o estado de espírito em que se encontra quando as lê. É-me dificil escrever um comentário ao teu poema sem me expor a mim próprio, pelo que, apenas te deixo os meus parabéns.
    Excelente escrita. Foto mais ou menos ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Adorei as tuas palavras, PMartins! Concordo com o que dizes e agradeço o elogio :) Quanto à foto, nem digas isso!!
      Bigada e beijinho*

      Eliminar

Inspira. Escreve.